O momento em que descobrimos que ainda há esperança

Um assunto um pouco polêmico, pelo qual ainda me chateio; tem aparecido tanto no meu círculo de amizades e na realidade mundo a fora que resolvi trazer para discutir aqui.

AloneOntem, conversando com uma amiga de muitos anos, chegamos a triste conclusão que o mundo está cada dia mais individualista. As pessoas tem fechado a cortina e trancado a porta, pouco se importando com o que está acontecendo do outro lado. Talvez por medo, por preguiça, por falta de compreensão, mas ninguém se ajuda, ninguém se importa, e é nesta hora você lembra daquela frase “nunca espere nada de ninguém”. Mas peraí, isso é certo? Quem gosta de viver assim?

Nós que somos do mundo virtual sabemos o quanto vale um compartilhamento, uma participação, um comentário, algo que parece tão simples, mas contribui para o nosso árduo trabalho de tentar alcançar cada dia mais pessoas e envolvê-las numa corrente positiva, seja ela qual for. Pessoas próximas não se mexem, nem um clique sequer, para estimular um pouquinho que seja. Mas por quê? Falta de tempo, de interesse, até quem sabe de entusiasmo com o próprio mundinho. Mencionei algo simples, alguns diriam até banal; mas pode ser aplicado para tudo ao nosso redor.  Pra quem sente, esse tipo de coisa dói.

Alone Dói o descaso geral, machuca o problema do outro não ser meu, incomoda o corte alheio não arder em mim. Crescemos com as nossas mães explicando que não devemos fazer ao outro o que não gostaríamos para nós; em que momento isso se perdeu? Traímos, negligenciamos, ignoramos; pessoas, ações, pensamentos. Reportagens sobre situações tão tristes correm de um grupo de whatsapp para outro, mas não perguntamos como está aquele amigo que precisava de um minuto de atenção. Esquecemos que carinho gera carinho, e dessa forma nos afastamos de todos por perto, ficando presos a nossa própria luta.

Só precisamos abrir o jornal, para perceber que existe um mundo lá fora precisando de amor, de compreensão. Estender a mão ao próximo pode começar por perto, doar pode ser seu tempo, ações que geram resultados, não pensamentos soltos. Isso me lembra a corrente mais bonita que vi passar pelo Facebook; comecei a reparar nela há alguns dias e fez ainda mais sentido pra esta discussão. Um texto onde um ombro fica a disposição, palavras de afeto são cuidadosamente escolhidas, para que qualquer pessoa possa se sentir acolhida, independente da dificuldade que esteja enfrentando. Todos passamos por momentos ruins e lembrar disso nos ajuda, a auxiliar o outro e ainda agradecer uma fase boa pela qual estejamos passando.

Message A mensagem que desejo passar é para criarmos mais consciência, darmos mais atenção ao problema do vizinho, do amigo, do desconhecido. A hora pode ser apropriada para abordar bons momentos inclusive, uma lembrança, um recado com saudades serve. Dedique um tempo para o próximo; ouvi dizer que a melhor maneira de sermos felizes é fazendo outras pessoas felizes.

Deixe um comentário

%d blogueiros gostam disto: