Cheguei… Com um pouquinho de atraso por aqui

Uau, três semanas se passaram, mas a impressão é que só pisquei e já me encontro no quarto sábado nesse país maravilhoso! Peço zilhões de desculpas, não quero que pareça falta de interesse;, na real foi um misto de falta de tempo, de privacidade com absorção de uma realidade completamente diferente.

Comecei a escrever diversas vezes, em algumas fui interrompida, em outras não conseguia descrever como estava me sentindo; mas estou aqui para tentar traduzir um pouquinho do que tem se passado por aqui. Não sei nem por onde começar…

O povo australiano é incrível! Hospitaleiro, agradável, atencioso e sorridente; acho que foi a melhor descrição que vi e ouvi por aqui. Sabe aquela história que quem vem pra cá espera encontrar qualidade de vida e um ritmo desacelerado? Isso tudo acontece devido as pessoas serem tão de bem com a vida. O astral aqui é outro e nem no maior dia de perrengue consegui reclamar de algo. Para ser muito sincera, não tive grandes perrengues, o que rolou resolvi sozinha, porque a viagem era para isso mesmo, certo? Aqui a vida anda, as coisas funcionam e por este motivo que diversas vezes minha mãe dormiu com notícias que eu faria algumas coisas de um jeito e quando acordou tudo tinha mudado e realizado.

O mais difícil no comecinho foi a sensação que eu estava sempre de passagem; malas na sala da casa de um amigo, corridas atrás de apartamentos pra mudar no dia seguinte, descobertas de mercados e compras para poucos dias. Trouxe muita coisa, então o trabalho de carregar bagagens para cima e para baixo foi dividido com muitos caras com boa vontade.

O verdadeiro significado de aprender a dividir, você descobre assim. Dividimos casas, camas, banheiros e até comida; sem nos preocupar com nosso espaço, afinal de contas, existem coisas mais importantes que privacidade ou tempo só, nessas primeiras semanas. O pessoal se ajuda, se respeita, repassa dicas e informações que serão importantes para esse período da sua vida; todo mundo chega meio que na mesma situação.

Maquiagem, salto alto, grandes preparações e programações não rolam; tudo vai acontecendo ao natural e o interesse das pessoas é na energia que você passa. De pé no chão e roupa confortável, o pessoal de diverte como tem vontade… Depois de tanto tempo vivendo em São Paulo, demorei pra relaxar e entrar nesse clima.

Além das pessoas, o extraordinário na Austrália são as paisagens; um lugar mais lindo que o outro, da praia ao interior, e isso que não tive oportunidade de ir aos pontos mais paradisíacos ainda. O primeiro lugar em que fiquei foi Brisbane, a qual achei muito fofa e gostosa. Depois me mudei para Surfers Paradise, com bastante jovens e turistas, de fácil locomoção. Agora moro em Burleigh Heads, um encanto, com o mar mais lindo que já vi até agora por esse lados, além de trabalhar em Coolangatta, uma praia mais tranquila e igualmente linda. Cada ônibus que eu pego as 6 da manhã ou chuva no final da tarde, agradeço por ser aqui. Estou apaixonada por esse pedacinho do céu, onde minha preocupação é como realizar os sonhos que crescem a cada dia.

A falta que sinto de casa é diferente, não tenho vontade de estar em São Paulo; preferia que todos que amo estivessem aqui, experienciando cada novidade comigo! No começo me preocupava em como faria as coisas acontecerem, depois de ver que isso rola sem problema nenhum, tenho vivido cada dia mais. Saio de casa sem guarda-chuva, sem comida e sem hora pra voltar, o que tem me feito ainda mais leve.

Tempos atrás eu sonhei em reduzir minha vida a uma mala e partir. Me emociono em dizer que esse dia chegou, a mala cada dia que passa diminui e o coração só aumenta. Poucas são as fotos que tiro, porque o mais espetacular disso é como tudo tem feito eu me sentir. Também não me sinto afogada em felicidade, sim em uma gratidão gigante e uma vontade de fazer destes, os dias mais felizes da minha vida.

Trago mais notícias!

Deixe um comentário

%d blogueiros gostam disto: